Se o curso é bom, não importa a cor do sapato.

 O jovem Carlos Antônio mesmo sendo dentista, resolveu abrir um negócio. No entanto, ele não entendia nada de administração. Era organizado por necessidade.
Passados alguns anos de negócio, resolveu fazer uma faculdade de Administração de Empresas à noite das 19 às 22:30 horas. Acontece que ele trabalhava até às 18 horas no seu consultório. Quando saía do serviço ia correndo para casa jantar, para em seguida, ir para o curso.
Um dia a empregada havia deixado os sapatos pretos do curso prontos e lustrados na porta, para ele usar. Carlos Antônio entrou rapidamente em casa, deixando os sapatos brancos do trabalho também na porta. Jantou, colocou uma calça jeans com uma camisa e cinto pretos. Saiu apressado e chegou na faculdade.
Entrou, sentou na sua carteira e percebeu que todos os 35 anos da sala estavam olhando para ele. A aula já havia começado e ele achou que este era o motivo de todos aqueles olhares. Porém quando olhou para seus pés, lá estavam seus sapatos brancos rotineiros. Um amigo seu, que era engenheiro, além de também ser seu paciente, sentado ao seu lado disse:
- Carlos, você só tem estes pares de sapato?
Ele, sem graça, respondeu:
- Leonardo, acredite, eu somente estou vendo estes pares de sapato agora. Foi um engano. Mas eu preciso assistir a aula e não vai dar tempo de  trocá-los.
Assim, ele assistiu toda a aula, foi lanchar e pagou o mico. Mas, o que ele queria mesmo era fazer seu curso. Não perdeu o foco.

Comentários

Postagens mais visitadas